Petrobras . Agência Petrobras

Glossário

Garsol
Gasoduto do Rio Solimões, no Amazonas.
Gás
Um derivado de petróleo é denominado gás quando se apresenta em estado gasoso nas condições de pressão e temperatura da superfície. Combustível fóssil, encontrado em rochas porosas, que pode estar ou não associado ao petróleo.
Gás associado
No reservatório, gás que está dissolvido no óleo ou sob a forma de capa de gás. É reinjetado na jazida ou queimado quando não há condições econômicas para sua extração.
Gás condensado
Mistura gasosa, nas condições de reservatório, constituída predominantemente de hidrocarbonetos.
Gás de folhelho (shale gas)
Gás natural contido em um tipo de rocha sedimentar (folhelho) com baixíssimas condições de permeabilidade e porosidade.
Gás de refinaria
Mistura contendo principalmente hidrocarbonetos gasosos produzida nas refinarias. Os componentes mais comuns são hidrogênio, metano, etano, propano, butanos, pentanos, etileno, propileno, butenos, pentenos e pequenas quantidades de outros componentes, como o butadieno. É utilizado principalmente como fonte de energia na própria refinaria.
Gás de xisto
Denominação popularizada para gás de folhelho, porém indevida; pois folhelho é uma rocha sedimentar onde pode haver hidrocarbonetos, enquanto que xisto é uma rocha metamórfica onde não há hidrocarbonetos.
Gás liquefeito de petróleo (GLP)
Gás de refinaria, conhecido como gás de cozinha. Mistura de hidrocarbonetos leves, gasosos (propano e butano, em maior proporção), obtida do gás natural em unidades especiais de processamento. Tem aplicação também em diversos setores industriais.
Gás não associado
No reservatório, gás que está livre ou em presença de quantidades muito pequenas de óleo. Nesse caso, só se justifica comercialmente extrair apenas o gás.
Gás natural
Mistura de hidrocarbonetos leves (metano e etano, principalmente). É o gás encontrado na jazida, associado ou não ao petróleo. Fonte de energia mais limpa que o petróleo, não é agressivo ao meio ambiente e não produz resíduos em sua queima. Utilizado também como combustível industrial e automotivo e matéria-prima petroquímica.
Gás natural associado
Gás natural que é produzido juntamente com o óleo. As jazidas de petróleo geralmente são compostas de três fases: óleo, gás e água. No caso em questão, o gás é obtido após processo de separação física da fração líquida do petróleo. Há também o gás não associado, produzido a partir de jazidas puramente de gás. Nesse caso, não há necessidade de separação física durante sua produção. Em ambos os casos, porém, depois de produzido e/ ou separado, o gás é processado antes de ser colocado à venda, de modo a atingir os padrões de qualidade exigidos.
Gás natural liquefeito (GNL)
Gás natural liquefeito encontrado "misturado" com petróleo (veja gás associado), que é separado depois, no processo de refino. É armazenado em estado líquido por meio da redução de sua temperatura a menos 162°C, em pressão atmosférica normal.
Gás natural veicular (GNV)
O gás metano veicular é o mais seguro de todos os combustíveis. Em caso de vazamento, dissipa-se na atmosfera, reduzindo o risco de explosões e incêndios. Os veículos que o utilizam emitem menos poluentes. Sua queima - mais completa do que a da gasolina, álcool e diesel - não produz depósitos de carbono nas partes internas do motor, o que aumenta sua vida útil.
Gás reinjetado
Gás não comercializado que volta ao poço com o objetivo de forçar a saída do petróleo da rocha-reservatório.
Gás seco
Todo hidrocarboneto ou mistura de hidrocarbonetos que permaneça inteiramente na fase gasosa em quaisquer condições de reservatório ou de superfície.
Gás úmido
Todo hidrocarboneto ou mistura de hidrocarbonetos que, embora originalmente na fase gasosa, venha a apresentar a formação de líquidos em diferentes condições de reservatório ou de superfície.
Gas-lift
Processo de extração de petróleo de poços que não têm pressão suficiente para elevação natural. A técnica consiste em injetar gás no reservatório, o que aumenta a pressão e facilita a saída do óleo.
Gascab
Gasoduto de Cabiúnas, na Bacia de Campos, no litoral do estado do Rio de Janeiro.
Gascac
Gasoduto entre os municípios de Cacimbas, no Espírito Santo, e Catu, na Bahia.
Gascav
Gasoduto entre Cabiúnas, em Macaé, no norte do Rio de Janeiro, e Vitória, no Espírito Santo.
Gascom
Gasoduto entre o município de Coari e a cidade de Manaus, no Amazonas.
Gasduc III
Trecho do gasoduto entre o Terminal de Cabiúnas, em Macaé, na região Norte Fluminense, e a Refinaria de Duque de Caxias, no município de Duque de Caxias, no Rio de Janeiro.
Gasene
Duto de interligação da malha de gasodutos do Sudeste com o Nordeste.
Gasjap
Gasoduto entre o município de Japeri e a Refinaria de Duque de Caxias, em Duque de Caxias, no Rio de Janeiro.
Gasoduto
Duto próprio para o transporte de gás.
Gasóleo
Derivado de petróleo, intermediário no processo de refino, que pode ser utilizado como matéria-prima (gasóleo de coqueamento) na produção de GLP e gasolina. Pode ser usado, dentro de certos limites, como óleo diesel ou como diluente para óleos combustíveis.
Gasolina A
É a gasolina produzida no País, importada ou formulada pelos agentes econômicos autorizados para cada caso, sem a mistura de álcool anidro.
Gasolina C
É a gasolina A com adição de álcool etílico anidro combustível, nas proporções e especificações definidas pela legislação em vigor.
Gasolina de aviação
Gasolina preparada especialmente para aviões equipados com motores de combustão, cujo índice de octano varia entre 80 e 145, conforme as características do motor. Ponto de congelamento: -60°C.
Gasolina natural
Líquido do gás natural cuja pressão de vapor é um meio termo entre a do condensado e a do gás liquefeito de petróleo (GLP). Com algumas das características da gasolina comum, o produto é obtido por um processo especial de compressão, destilação e absorção.
Gaspaj
Gasoduto entre os municípios de Paulínia, em São Paulo, e Jacutinga, em Minas Gerais.
Geradores
Máquinas que transformam a energia mecânica em energia elétrica.
Giveway
Entregar produtos finais com qualidade superior à exigida sem obter retorno financeiro por isso.
Governança corporativa
Relação entre agentes econômicos(acionistas, executivos, conselheiros) com capacidade de influenciar/ determinar a direção e o desempenho das corporações. A boa governança corporativa garante aos sócios transparência, equidade e responsabilidade pelos resultados.
Grau API
Medida criada pelo American Petroleum Institute (API) para expressar a densidade relativa de um óleo ou derivado. Quanto maior a densidade relativa, menor o grau API. Petróleos com grau maior que 30º são considerados leves; entre 22º e 30°, são médios; abaixo de 22°, são pesados; inferior a 10°, são extrapesados. O petróleo mais leve (acima de 30°API) tem maior valor no mercado.
Grau de investimento
Nível de classificação de risco a partir do qual a empresa é considerada de baixo risco e, portanto, seus valores mobiliários podem ser adquiridos por investidores mais conservadores. Equivale ao termo inglês Investment Grade.
Graxa lubrificante
Com consistência de "gel", tem a mesma função do óleo lubrificante, mas com consistência semi-sólida para reduzir a tendência do lubrificante a fluir ou vazar.
GTL (gas to liquids)
Processo de transformação química que converte o gás natural em combustíveis líquidos (diesel e gasolina) e em outros derivados, como nafta petroquímica e lubrificante de alto índice de viscosidade. Nesse processo de conversão, o resultado é um petróleo sintético extremamente puro, livre de contaminantes como enxofre e metais pesados e aromáticos.

×

Acesso ao Conteúdo

Exclusivo para jornalistas cadastrados.

×

Esqueci minha senha

×

Enviar notícia

Preencha o formulario abaixo para enviar a notícia:

× Crédito AGÊNCIA PETROBRAS

A Equipe Mitsubishi Petrobras, formada pelo piloto Guilherme Spinelli e pelo navegador Youssef Haddad, disputa a 21ª edição do Rally dos Sertões.

×

TESTE